Um exame muito importante, que é realizado de forma rápida, segura e indolor, mas que causa constrangimento em muitas pessoas, é a colonoscopia. Isso acontece, geralmente, porque o aparelho utilizado é introduzido pelo ânus, o que acaba fazendo com que muita gente sinta receio da dor e negligencie a relevância desse procedimento. Mas não se engane!

Assim como qualquer outro cuidado com a saúde, é essencial realizar a colonoscopia em casos de suspeitas de doenças intestinais e também a partir de uma idade específica. Quer saber qual idade é essa, o que é a colonoscopia, em quais casos você deve realizá-la, como é o procedimento e muito mais? Então, confira o artigo e tire todas as suas dúvidas!

O que é a colonoscopia?

Esse é o nome dado ao exame de imagem que é realizado para investigar anormalidades no intestino que podem causar enfermidades no local, ou, ainda, diagnosticar doenças já existentes nos estágios inicial ou avançado.

São analisados, detalhadamente, o intestino grosso e uma parte do intestino delgado — como o cólon, o reto e o íleo terminal —, com a nitidez que outros tipos de exames laboratoriais não conseguem obter.

Como o exame é realizado?

Não foi à toa que eu disse que você não precisa ficar com receio, pois, apesar de o nome ser complicado, o exame, em si, não é.

O processo é seguro, feito por um médico gastroenterologista, colonoscopista ou endoscopista, com a ajuda de um aparelho que se chama colonoscópio.

O colonoscópio é um tubo fino e flexível, que tem luzes e uma microcâmera na ponta, que servem para transmitir a imagem da estrutura interna do órgão à medida que o instrumento é introduzido no paciente. Durante o processo, o médico vai acompanhando tudo o que a câmera vai captando pelo vídeo.

Ao contrário da endoscopia, que é mais conhecida pelas pessoas e que o tubo entra pela boca para investigar o estômago, a colonoscopia é um procedimento bem parecido, porém, para verificar o intestino. Daí o motivo pelo qual os acessos são feitos por partes diferentes do corpo, entendeu?

Como é feito o preparo para o exame?

Antes de realizar o exame, é feito um preparo que consiste na limpeza do intestino. O paciente deve fazer uma dieta líquida um ou dois dias antes da colonoscopia e utilizar laxantes e medicamentos receitados pelo médico com o objetivo de promover uma visualização melhor do local e não comprometer a eficácia do processo.

Após o preparo inicial e ainda em jejum, o paciente veste uma camisola para facilitar o procedimento, é sedado, anestesiado, deitado do lado esquerdo do corpo e posto com as pernas flexionadas. É feito o exame de toque para relaxar a musculatura local e o médico introduz o aparelho no reto a fim de verificar toda a parte interna do órgão. Normalmente, o paciente não acompanha a prática.

São injetados pequenos jatos de ar no intestino, durante o procedimento, para afastar as paredes intestinais e auxiliar na visualização do local. O exame, geralmente, dura cerca de 30 a 40 minutos. Contudo, dependendo do caso, se o médico encontrar alguma estrutura anormal, é feita a biópsia, que pode ser um pouco mais demorada.

Quando realizar a colonoscopia?

A colonoscopia deve ser feita a partir dos 50 anos de idade, por mulheres e homens, pois é nessa faixa etária que aumentam as chances do surgimento de câncer de intestino. Ademais, a partir dessa idade, deve ser realizado de 10 em 10 anos ou pelo período recomendado pelo médico.

Porém, pacientes que têm histórico de doenças intestinais na família devem realizar o exame com mais frequência e, principalmente, antes dos 50, de acordo com orientação do especialista de confiança. Além disso, o procedimento é recomendado para pacientes com sintomas e queixas de:

  • diarreia ou constipação crônica;
  • dores abdominais que outros tipos de exames não conseguiram detectar a causa;
  • sangramento intestinal;
  • resultado positivo para exames que investigam sangue oculto nas fezes;
  • suspeita de câncer de intestino ou do cólon.

Quais doenças a colonoscopia detecta?

Quando são identificadas situações anormais no corpo do paciente, são retirados pólipos colorretais, que são uma espécie de lesão em forma de cogumelos que se forma no local. Eles são levados para averiguação a fim de conferir se são malignos ou benignos. Em muitos casos, são benignos e resolvidos com um tratamento médico mais simples.

Também é possível retirar esses pólipos total ou parcialmente por meio da colonoscopia. Essas lesões, identificadas por meio do procedimento, podem ajudar no diagnóstico precoce de doenças, como câncer do intestino, diverticulite, colite ulcerativa e feridas que podem se tornar outros tipos de enfermidades ou complicações mais graves, se não forem tratadas a tempo.

Como é feita a recuperação após o procedimento?

Terminado o exame, é comum que a pessoa sinta um pouco de desconforto abdominal, cólica ou gases por conta do ar injetado durante o processo. Após a colonoscopia, o paciente fica em observação por cerca de meia hora. Porém, o tempo que geralmente leva para passar o efeito do sedativo é de cerca de uma a duas horas.

Por isso, é fundamental que o paciente esteja acompanhado por um familiar ou amigo para realizar o procedimento, pois, após o exame, a pessoa não pode dirigir, operar máquinas ou realizar tarefas que exijam esforço sozinha, até que esteja totalmente recuperada. Já a alimentação pode ser feita normalmente após a colonoscopia.

Quem não pode fazer a colonoscopia?

Não pense que qualquer pessoa pode se submeter à colonoscopia. Pacientes com quadros de diverticulite avançada, abdômen agudo perfurativo, embolia pulmonar recente, aneurisma da aorta, infarto recente do miocárdio e gestantes a partir do último trimestre de gravidez enfrentam contraindicações para esse procedimento.

Contudo, é fundamental se consultar e sempre bater um papo com seu médico antes de realizar qualquer intervenção para o seu bem-estar. Assim como é essencial seguir todas as recomendações dele quando houver a necessidade de fazer esse exame.

Agora que você já entendeu o que é a colonoscopia, percebeu como ela não tem nenhum mistério e que você não precisa temer ou constranger-se ao falar sobre o assunto? O mais importante é sempre seguir os conselhos do seu médico de confiança e tomar todas as medidas necessárias para estar com a saúde cada dia melhor.

Quer saber mais sobre outros tipos de exames e conferir dicas práticas? Assine a newsletter e fique por dentro!